Entrevistas de Treinador
Patrício Duarte
vai ter de respirar vitoría comigo
Patrício Duarte
     Patrício Duarte

Treinador séniores Febres

Época 2013/2014 e 2014/2015


"Gosto de ter jogadores que gostem de trabalhar, que gostem de jogar. Quem não esta habituado a pensar em vencer vai ter de respirar vitoría comigo!"


AF - Segundo Lugar Divisão de honra AF Coimbra, eram candidatos ao primeiro lugar?

Patrício – Sim, queria ser campeão este ano, não foi o objectivo que a direção me pediu, tinhamos noção que o orçamento tinha sido reduzido para um pouco mais de metade. Mas isso não poderia ser uma limitação para mim, então a postura é a mesma como tenho feito por onde tenho passado. Apostar em jovens que tenham ambição, que goste de trabalhar e que leve isto a sério. Claro que não são profissionais, mas é muito importante levar isto muito a sério.
Apostar nos underdogs, miudos jovens, alguns deles já tinham trabalhado comigo no Gandara, ex Rodrigo, Rafael, Maricato. Tento estar sempre informado acerca dos jogadores, não só a qualidade técnica ou tactica pois isso eu vejo, tento falar com as pessoas e perceber se eles tem a capacidade perceber e integrar a minha filosofia, a filosofia das minhas equipas.

A minha filosofia de trabalho é:

O grupo é o mais importante, se o pessoal tiver de se sacrificar então sacrifica, que sejam amigos, que não hajam vedetas, independemente das idades evitar aqueles jogadores que criam atritos dentro do grupo para que se consiga construir um grupo forte.

AF - O Segundo lugar satisfaz?

Patrício – Não, queria vencer o campeonato!


AF - Vitoria na taça da AF Coimbra, como foi o percurso até a final?

Patrício – Vitória justa, estudamos a equipa adversária e praticamos um futebol como temos vindo a fazer no campeonato. Acabou por ser um prémio digno pelo campeonato e taça que fizemos.


 

 

AF -Neste momento como se sente depois de concluida a época?

Patrício – Sinto que se a época começasse agora, seriamos campeões! A maioria dos jogadores não estavam habituados a jogar a este nível, habituados a pressão de ter que ganhar todos os jogos. Não poder facilitar, assumir todos os jogos em todos os campos, desgaste psicológico, desgaste físico. E algumas saídas como a do carlinhos que não fui capaz de “cortar” as pernas, para mim o jogador esta primeiro e a direção foi excelente nesse campo. Saída do Romeu por questões de trabalho, Tiago freitas com problemas de saúde graves, tudo jogadores mais experientes estas foram algumas situações que se não tivessem acontecido poderiamos certamente ser campeões.   

 

AF -O que lhe da mais gozo sendo treinador de futebol?

Patrício – Atleta de Karaté e treinador, os meus atletas do karaté ainda não acreditam que sou treinador de futebol e os do futebol não acreditam que já fui treinador de karaté. Adoro o futebol, quando entro na faculdade é porque queria ser treinador de futebol, quando venho para o futebol não estou a trabalhar, estão a permitir que eu faça aquilo que gosto.
Adoro a pressão, coloco pressão em mim mesmo, não preciso que metam pressão em mim. Gosto da competição, gosto de trabalhar para a vitória, odeio a derrota, mas a derrota faz-me trabalhar mais.

 

AF - Quais as caracteristicas que mais aprecia num jogador?

Patrício – Técnica é muito importante mas a formação que ele teve é muito importante, tacticamente sinto que trabalho muito os jogadores, mas a parte psicológica sinto que é a parte mais importante porque o resto eu trabalho.

Gosto de ter jogadores que goste de trabalhar, que goste de jogar. Quem não esta habituado a pensar em vencer vai ter de respirar vitoría comigo!

 

AF - Tem algum ritual antes dos jogos?

Patrício – Não, já tive uma brincadeira que nos fizemos no meu primeiro como treinador contra a naval e eu com os juniores do febres.
Nesse jogo os miudos estavam todos a tremer, estavam habituados a levar “sacos” da Naval, tinhamos um jogador Julian, religioso, tinha uma biblia e eu abri a mesma apontei para uma frase e saiu uma frase do género: Juntos somos capazes de tudo.

Ganhamos 1 zero num jogo difícil e os jogadores nos jogos seguintes pediam para ler uma frase. Fora isso não tenho nenhum ritual.

 

AF – E na noite antes de um jogo como te sentes?

Patrício – Tranquilo, sofro mais depois dos jogos, libertado da pressão, e quando não ganho não durmo, toda a gente  olha para mim e já sabia que tinha perdido.

 

AF - O cargo de treinador de futebol é muito procurado e ambicionado por muitos jovens, que conselho dá a quem tem o sonho de treinar equipas séniores?

Patrício – O futebol sénior não é para qualquer um da mesma forma que o futebol dos mais jovens também não é para qualquer um. Uma equipa de sénior é bastante complicada, o homem cá fora muitas vezes não é o jogador la dentro. Existem pessoas cá fora que são fantasticas mas la dentro para o treinador, ou para os colegas são horriveís. É preciso estofo para lidar com isto.
Se uma pessoa quiser mesmo treinar séniores, deve ligar-se a um treinador com experiência para lhe ensinar as manhas do futebol.
Aprendi muito com toda a gente, mas tenho 3 pessoas que me ajudaram muito. Mister Niza que na parte psicologica é o melhor, é muito bom. O professor Mário Monteiro, preparador fisico de Jorge Jesus que puxou por mim e fez-me subir uns degraus.
E o mister Zé Nando que me ensinou muita coisa na parte tactica, naturalmente sou um pouco dos três.   

 

AF - Qual a Liga que lhe enche as medidas como adepto?

Patrício – Liga Inglesa, estádios sempre cheios, a equipa a perder e o estádio a apoiar…

 

AF - Qual o jogador a nivel Mundial que gosta de ver jogar e porquê?

Patrício – Cristiano Ronaldo! Messi será o melhor de sempre mas o Cristiano nunca se rendeu, na garra, no esforço, um vencedor nato com um espirito fantastico que me faz sentir orgulhoso por ele ser Português.

 

AF - Treinador que admira?

Patrício – José Mourinho, é um treinador que eu admiro, foi um dos primeiros a aplicar a periodização tactica, transforma as equipas a imagem dele, personalidade vencedora, agrada-me bastante. Falta um pouco a todos nós Portuguêses a “arrogância” de Mourinho para deixarmos de ser os coitadinhos.

Gosto também do Vilas Boas, secalhar gosto mais do estilo de jogo do Vilas Boas, Mourinho é demasiado vertical e as minhas equipas tem de ter mais posse de bola.


Futebol de formação  

AF - Que ideia tem do futebol de formação a nível distrital? É apoiado?

Patrício – Começo logo por dizer que na minha opinião não existe formação, trabalha-se muito mal a todos os níveis. Não se sabe que tipo de jogador se quer criar, só se pensa em ganhar em idades muito tenras o que é uma barbaridade, vale tudo para ganhar. Existe muita pressão dos Pais nos clubes, e os clubes devem saber blindar-se ou ter pessoas capazes de comunicar com os Pais, o problema é que as pessoas que sabem fazer isso tem de ser pagas.
Há muito treinador sem formação, dão os treinos que tiveram quando jogavam.


AF - Qual o perfil de treinador que devera estar afrente de equipas de formação?

Patrício – Alguém com pedagogia, alguém que consiga chegar aos garotos, alguém que trate da parte psicológica, de preferência uma equipa multidisciplinar. Não pode ser o homem que esta disponivel no clube, o pai do avançado que até esta sempre presente a dar o treino, tem de haver competência.

 

 

AF - Costuma procurar conteúdo para treinar na internet?

Patrício – Faço muitas pesquisas em tudo, mas existe muita porcaria e é fácil perder-se quem não esta habituado a filtrar.

 

AF - O que acha que faz falta na internet para ajudar os treinadores?

Patrício – Faltava alguma entidade como o Mourinho vir dizer como se fazem certas coisas. Mas eles não o vão fazer, existe alguma partilha mas ninguém da o seu sucesso a ninguém. Cada um de nós deve pegar no que vê e ter a capacidade de adaptar a nossa necessidade, mediante a semana de treino ou jogo.

 

 

Autor: Academia de futebol
comentários
Não foram introduzidos comentários a esta entrevista!
PUB
SericertimaBairrinformáticaTacticalPadMundo do TreinadorTacticalPad
AcademiaAcademiaFalta informação?
patrocinadores (energigas)AcademiaInstalminho
Energigas24TacticalPadSports Training