Entrevistas de Treinador
Pepa: Identidade forte e única
Vou a palestras de jovens treinadores
Pepa: Identidade forte e única
Terminou a carreira de jogador aos 26 anos, por lesão, e não tinha dinheiro no banco. Passou por dificuldades - “houve uma altura em que o frigorífico só tinha o mínimo. Ninguém passou fome, mas fiquei a dever umas rendas” - e foi bater à porta do clube do bairro. Dez anos depois, treina o Tondela, que salvou da despromoção na época passada, mas não sabe onde estará para o ano


“Já lhe passou a azia? A mim não!” Pepa tinha acabado de entrar num restaurante em Tondela, na quinta-feira passada, quando foi interpelado por uma adepta (ainda) revoltada com os descontos do Tondela-Sporting (1-2), da 24ª jornada da Liga. O técnico de 37 anos encolheu os ombros e seguiu em frente, como tem feito desde que deixou de jogar, por lesão, há uma década, passando por dificuldades económicas, antes de começar a carreira de treinador e salvar o Tondela da despromoção, em 2016/17.

Já tínhamos esta entrevista combinada há duas semanas, mas entretanto o contexto mudou um bocadinho. Ah mudou? Porquê, o que é que aconteceu? [risos]

O presidente disse que não foste à conferência de imprensa contra o Sporting porque ficaste muito alterado com o jogo. Não, estava tranquilo. Já passou. Acima de tudo, o que me custou foi ver o grupo, foi chegar ao balneário e ver como eles ficaram. Mas não estava de cabeça perdida. Estava frustrado e revoltado, mas não estava aí a querer partir tudo ou a chorar, isso não.

Os jogadores ficaram alterados? Ficaram de rastos. Depois cabe-me a mim ser o primeiro a fazer o luto. É como o comandante de um barco que vai contra um icebergue: o comandante tem de estar ali firme e hirto e mostrar que está tudo bem. Logo no dia seguinte tive de ser eu o primeiro a levantar as tropas todas. Depois, quando saio daqui, tenho tempo para o balão esvaziar um bocadinho e isolar-me um bocadinho e afogar as mágoas.

Consegues dormir ou ficas a pensar no que se passou? Ganhando, perdendo ou empatando, com mais ou menos polémica, normalmente depois dos jogos nunca consigo dormir. Ficam na cabeça os lances todos e depois quando o jogo está disponível no Wyscout ou no Instat, ou às vezes na SportTV, vou logo ver.

Nem que seja às três da manhã? Ah, sim, três, quatro, cinco. Depois do jogo normalmente nunca durmo. Às vezes até às seis ou sete, mas havendo treino no dia seguinte tenho de acordar cedo, portanto só descanso os olhos. Se for folga, também não dá para muita coisa, porque as miúdas acordam cedo e mesmo quando estou sozinho o relógio biológico já está habituado. Resumindo: depois do jogo não durmo.

Achas graça ouvir os comentários, quando vês na SportTV? Respeito, é o trabalho de cada um. Há coisas que dizem de forma correta e outras não tem nada a ver, mas respeito.

O que disseste aos jogadores? Não fui com nenhuma folha. Tinha muita coisa na cabeça, mas foi uma palestra diferente. Levei os jogadores até ao centro do relvado e tive uma conversa de alma e coração com eles. Como é óbvio, não vou dizer o que lhes disse, mas a parte mais importante é esta: daqui a uns meses, gostava que se recordassem deste jogo com orgulho e não com pensamentos de “porque é que deu mais dois minutos quando faltavam vinte segundos?” ou “porque é que não marcou aquela falta sobre o Bruno?”. Esqueçam isso tudo, porque não podemos fazer nada. Encontrámos uma equipa com outras armas, e nós reconhecemos isso, eles têm outra qualidade individual. São melhores que nós? São. Mas aí é que está o segredo do futebol: depois, lá dentro, tudo pode acontecer. Eles podem ser melhores em 365 dias do ano, mas naquela hora e meia... até pode ser melhores em 80 minutos, só precisamos dos outros dez para fazer um golo [risos]. Temos de nos orgulhar do que fizemos, como também nos orgulhamos do jogo que fizemos no Porto, estando o Porto tão forte como está. A verdade é que, nesses jogos, pontos, zero. Mas nem tudo na vida é... Bem, aqui precisamos de pontos. Mas há muita coisa além dos pontos, o espírito de sacrifício, a superação... Isso temos conseguido.

Há uns tempos circulou um vídeo teu a dizer que se falava demasiado de arbitragem. Mas depois deste jogo falaram de arbitragem. Mal era se não se pudesse falar da arbitragem, porque ela faz parte do jogo. O que quis dizer, e reforço, é que há um constante ataque a tudo. Não é só aos árbitros, é a tudo. Se há uma equipa que perde, foi porque facilitou ou porque não fez faltas, ou isto ou aquilo. Eh pá, estão a encher as redes sociais e a manipular os adeptos fervorosos, para não dizer fanáticos, e depois isso leva a um desgaste enorme de uma modalidade que todos nós adoramos. Agora, um treinador ou um clube falar sobre um árbitro que esteve mal... que fale. Então o treinador também não toma más decisões às vezes? O jogador também não erra? O que não gosto, e isso é de mim, é de escudar-me no árbitro. Mas não tenho problema nenhum em dizer quando um árbitro esteve mal.

O árbitro deste jogo esteve mal? Não esteve mal, esteve muito mal. Estou a constatar uma coisa que até colegas dele já vieram dizer. Se a própria classe admite, sou eu que vou dizer que esteve bem? Só que isso não justifica nada. A grande frustração é que nós até podemos ombrear dentro de campo com o adversário, o que já é muito difícil, porque temos de nos superar e estar num dia quase perfeito, mas depois, quando conseguimos pôr as coisas mais ou menos equilibradas, aparece alguém... Quero acreditar sempre na inocência, e aí admito que ainda sou muito novinho nisto, ou ingénuo, mas quero acreditar que foi um dia mau do árbitro. Equivocou-se. Como eu, às vezes. No dia em que não acreditar nisso, então vai ser complicado, perco a cabeça e sou irradiado do futebol.

Contra o Benfica, o Tondela só cometeu oito faltas, o mínimo da época. Como se explica isso? É uma conversa ridícula. É impossível os jogadores não lerem ou ouvirem isso, tal a força dessas conversas hoje em dia. Acho uma piada incrível. Quem é que já não teve dias maus? Mais grave é quando essa conversa vem de colegas. Porque dos adeptos já faz parte. Fizemos oito faltas, pois fizemos, porque quando estávamos a chegar à bola ela já não estava lá. Porque o Benfica fez nesse dia uma das melhores exibições da época. Nem merece mais latim, isto. Vou justificar o quê, se foi um dia mau? Ficámos frustrados. O Benfica teve uma noite terrível, parecia um vendaval. Como o FC Porto com o Estoril, aquilo em 15 minutos parecia o quê? Brummm! O Estoril nem conseguia respirar. Vamos agora massacrar o Estoril? Vamos dizer que facilitou? Vamos dizer que o Tondela facilitou? O Rio Ave foi ao Dragão e... [perdeu 5-0] Então, toda a gente facilita contra os grandes.

Quando eras jogador havia acusações de facilitismo? Não. Acho que isto agora tem a ver com a facilidade com que a informação passa para aí, nas redes sociais e blogues. Antes não havia nada disso. Havia uma rivalidade louca, isso havia, mesmo na seleção nós sentíamos isso - já havia aquela guerra norte-sul, mas era saudável. Nada disto como está agora. Eh pá, é ridículo isto.

Imagino que queiras chegar a um clube grande... Sinto-me num clube grande. A sério. Sinto-me um felizardo, porque há poucos anos estava a treinar meninos e meninas, gordos e magros, e nem sabia quantas crianças ia ter no treino. Não vejo nada como uma obsessão, porque naquela altura pensava chegar à I Liga em dez anos e foi tudo muito rápido. E nunca ninguém me deu nada, atenção. Nenhum empresário me colocou num clube, nunca andei a pedir favores. A única coisa que fiz, porque morava ali perto de Sacavém, foi ir ao Sacavenense perguntar se precisavam de ajuda em qualquer escalão, quando comecei a aprender. Foi a única vez que bati à porta de alguém. Porque à minha porta só batiam para deixar as contas da água, da luz e do gás [risos]. Não me dou com lobbys nem nada disso. É trabalho e família, família e trabalho. Agora, se me perguntares se quero ir ao Jamor - com uma equipa, não é ir lá ver os jogos dos outros -, isso quero. Gostava de ouvir o hino da Liga dos Campeões. Gostava de lutar para ser campeão, mas acho que não tem de ser num grande. Só o Benfica, FC Porto e Sporting é que podem ser campeões? Depois de tudo o que se vai vivendo, não há maior gozo do que poder ombrear contra esses clubes. Claro que no Tondela é muito difícil, mas não sabemos. O Villarreal também é de uma terrinha pequena e também é amarelo, e há uns anos andava ali a intrometer-se na Liga espanhola.


Perguntei-te isso para saber se noutro clube o discurso seria diferente. Não, acho que só depende da personalidade de cada um. Há coisas que se compreendem, outras que não se admitem. Antijogo? Onde é que nós fizemos antijogo? Até digo: se tivéssemos feito antijogo, se calhar não tínhamos perdido. O Bruno leva uma porrada na perna quando faltam 20 segundos para acabar. O Cláudio [guarda-redes] não leva amarelo, não faz antijogo nenhum. O Rui Patrício tem um pontapé de baliza em que vira as costas, tenta sair curto, nós pressionamos alto, não dá, ele manda a equipa subir, volta para trás, toma balanço, vê onde vai pôr a bola, vê onde está o Bas Dost... E nós a dizer ao fiscal de linha: “Então, como é que é? O nosso foi avisado, este como é campeão europeu não é avisado?” A resposta foi: “Achas que ele está a passar tempo?” Porque um é grande e o outro é pequeno. Um pode demorar um minuto, mas o outro se demorar 20 segundos é avisado.

A tua transição de jogador para treinador foi difícil? Foi fácil, mas... Não sabia nada de Word, Excel, PowerPoint... Isso para mim era tudo chinês. Só sabia ligar o computador para ir ao mIRC, para me meter com as miúdas [risos] e para jogar CM [Championship Manager].

Com que equipa jogavas no CM? Ah, tinha várias. Eu fazia um bocado de batota [risos]. Às vezes punha três treinadores e depois comprava os jogadores daquelas equipas, para ter uma equipa forte [risos]. Ou então ia ao editor [risos]. Era Barcelona, Manchester, Liverpool... O Ronaldo estava no Barcelona, o Milan também tinha uma equipa fantástica, com o Kaká e com o Rui Costa... Mas isto para te dizer que deixei de jogar, por lesão, e fiz o luto muito rapidamente, não fiquei amargurado, "ai agora a minha vida?".

Mas tinhas margem de manobra, dinheiro guardado no banco? Nada. Passei dificuldades. Fala-se que se ganha muito no futebol, mas, com exceção de alguns clubes, não é assim tanto. Ganha-se bem, claro, em comparação com o ordenado mínimo, mas não há estabilidade. Faltam três meses para terminar o campeonato e eu acabo contrato. É um exemplo, não me estou aqui a queixar. Não faço a mínima ideia se em julho tenho clube ou não. Na altura tive ajuda do meu pai e da minha mãe, porque estava habituado a ter tudo em casa, o frigorífico cheio: queijos, Coca-Colas, sumos, cervejas, iogurtes de todos os tipos... E houve uma altura, quase um ano, em que o frigorífico só tinha o mínimo. Ninguém passou fome, mas fiquei a dever umas rendas ao banco [risos]. O banco que espere, as minhas filhas não podem esperar para comer.

Só aí é que começaste a pensar no dinheiro? O dinheiro que ganhava no meu último contrato, com o Olhanense, na II Liga, não dava para juntar.  

Quanto era? Eram 2500 euros. Pagava renda, água e luz, a pensão das minhas quatro filhas, tinha a casa em Lisboa ainda para pagar... Eh, pá, o dinheiro vai. OK, joguei no Benfica, mas na altura era miúdo. Ganhava bem, mas não tive juízo, gastei. Depois fui para o Varzim, para o Paços — não era nada do outro mundo.

Ninguém teve uma conversa sobre isso contigo quando eras jovem? Ó Mariana, o problema não é o emissor, é o recetor. Eu agora tenho essa capacidade de análise, digo-o aos meus jogadores, às vezes vou a algumas palestras para jovens e falo sobre isto, sem problema nenhum. Mas agora tenho duas orelhas. Quando era miúdo, nem uma orelha tinha [risos]. Não ouvia nada. Só ouvia "vai jogar ali, a ponta de lança".

Os teus jogadores conhecem a tua história? Conhecem. Acho que é uma mais-valia dar exemplos meus. Dou-lhes conselhos, digo-lhes para terem cuidado com os amigos da onça que só aparecem quando as coisas estão a correr bem, para serem fortes e irem de cabeça levantada quando somos criticados. É assim, por isso é que é o desporto-rei, toda a gente fala. Fui buscar a minha filha à ginástica na terça-feira. Estava lá um grupo de homens e mulheres, pais das miúdas, e qual era a conversa? [risos] Adivinha.

O Tondela-Sporting. Claro [risos]. Falavam, falavam, e eu ali sossegado.

Não falaram contigo? Viram-me e baixaram o volume [risos]. Faz parte.

Em Tondela não te abordam na rua? As pessoas aqui veem-me pouco. Não é por fugir, são as minhas rotinas. Vou às bombas de gasolina, vou a um ou outro supermercado, não querendo fazer publicidade, vou a um restaurante, que é a Joaninha, que é um espetáculo, onde se paga só €5 [risos]. Vou também a um café aqui perto de casa e à lavandaria, porque não sei lavar roupa nem passar a ferro. Gosto de estar no meu canto.

Agora, porque antigamente... Mas isso foi pouco tempo. Foi um ano e tal, quando era jovem. Só que exagerei, exagerei muito. Dei todas, como se costuma dizer.

Na juventude todos fazemos porcaria, mas a tua porcaria foi exagerada porque tinhas muito dinheiro para gastar, é isso? É verdade, é mesmo isso. Finalmente, alguém que me perceba [risos]. Não fiz nada do outro mundo, mas foi algo que teve mais visibilidade. Se calhar empolou-se muito, porque falei publicamente sobre isso, assumi tudo. É raro alguém dizer isso tudo. Mas quem é que não fez? Agora virou tudo monges e padres e santos? Não foi nenhum crime, não fiz mal a ninguém.

É muito mais difícil ser treinador? Não tem nada a ver. É que nem há comparação com ser jogador. A única coisa parecida é que se chama futebol à mesma [risos]. Vamos supor: há treino às 10h30, o jogador tem de estar aí uma hora antes. Nem precisa de trazer nada, tem tudo aqui à espera dele. Só tem de trazer o corpo dele e preparado para a tarefa: tau, tau, tau, posse de bola, organização disto ou daquilo, setorial, intersetorial, tau, acabou o treino, desliga. Toma um banhinho, ouve música, diz umas palhaçadas no balneário e pronto. E depois trata do corpo, claro. Há liberdade e responsabilidade. Tem de se alimentar bem e descansar, faz parte do treino. Qualquer coisa nós notamos logo, vemos o peso todos os dias, por exemplo. Nota-se logo algum excesso, até com o olhómetro. A gente já os conhece bem. Depois há aqueles que são macacos, protegem-se um bocado no treino, mas dão a vida no jogo, há coisas que vamos percebendo e temos de ter alguma sensibilidade. São todos iguais, mas todos diferentes. Uns lidam bem com o chicote, tipo cavalos, outros não se pode dizer nada que aquilo vem por ali abaixo, temos de ficar longe. É como se fossem os nossos filhos. Vamos ficando a conhecer os jogadores. Por isso é que o mercado de inverno é complicado. Não é fácil entrar num grupo de trabalho a meio. Estou a conhecê-los ainda. Ainda hoje um veio ao treino mas não estava cá. "Ouve lá, ainda estás de folga, não é?" "Realmente hoje não está fácil." "Não está fácil, foda-se, tu põe-te a andar!" [risos] Vamos conhecendo estas coisas.

Queria perguntar-te algo sobre o jogo contra o FC Porto. Como é que o Sulley perde aquela bola à entrada da área? É porque tens a construção padronizada? Ele não lê o jogo? Aquilo foi uma cagada [risos]. O que é que nós procurámos preparar? Sabemos que o FC Porto faz uma pressão muito forte com os dois pontas de lanças e nós ali tínhamos duas opções - e fizemo-lo bem durante o jogo até, mesmo depois daquele erro. Tínhamos de ter o Sulley muito bem posicionado, ou na linha dos centrais, fazendo uma linha de três para ele sair de frente para o jogo, ou então ficando mais à frente, no meio, a dar linha de passe, mas com os apoios bem orientados para podermos sair da pressão, ou logo por ali, por através da ligação do central com o lateral mais baixo, que depois ligava no Sulley. Isto para nós podermos respirar, para podermos ter bola, porque sabíamos que eliminando aquela primeira pressão do FC Porto, onde eles são fortíssimos, depois já teriam mais dificuldades. Ou melhor, menos facilidades, porque eles dificuldades não têm muitas. Mas era uma forma de sairmos - e conseguimos várias vezes. Só que logo ali no início há um pontapé de baliza, o Cláudio joga bem no Sulley, só que ele está com os apoios orientados para a baliza e quando roda... Um segundo no futebol já é muito. Salvo erro, o Herrera sai disparado na pressão, e bem, e o Sulley, como demorou a rodar, ficou com a bola muito curta, atrás do pé de apoio, e não teve potência suficiente para colocar no Joãozinho. O pé de apoio estava muito perto da bola, por isso ele só conseguia jogar curto. E quando vem o Herrera disparado o Sulley escolheu a primeira coisa que viu, que era o Ricardo Costa, mas o passe sai curto, o Marega, inteligente, encurtou, e fez golo. Foi o que foi. É terrível. Trabalhámos aquilo para criar superioridade na fase de construção, mas é a tal coisa: há coisas em que temos de nos adaptar. Não quero colocar nada em cima dos jogadores, mas os erros individuais vão acontecer sempre. E há sítios em que levamos logo com um pau na cabeça. Foi o que aconteceu ali, mas, como disse no final do jogo, a responsabilidade é toda minha.

Nesse caso manténs a tua ideia ou questionas se o melhor é só mandar a bola lá para a frente? Vou abrir o jogo: se me perguntares qual é a ideia de jogo de que mais gosto e com que mais me identifico, digo-te sinceramente que não é esta. Não é. Era como jogava, como por exemplo, no Feirense. Ou como comecei em Moreira.

Então porque é que não jogas assim? Aí está: tentei. No ano passado, quando cheguei aqui, fizemos isso.

Mas aí faltavam poucos jogos para acabar o campeonato e estavam quase a descer. Pronto. Mas vejo aí um crescimento enorme. Não acho que seja mais bonito ou menos bonito. É uma questão de potenciar os jogadores que temos. Não dá para fazer certas coisas com certos jogadores. Não é serem melhores nem piores, é serem melhores numas coisas e piores noutras. Aí pensei: para atingirmos o objetivo, para termos uma equipa competetitiva, regular, que se bata bem com todos, seja em casa ou fora... Até nos damos melhor com equipas que tenham mais bola, do meio da tabela para cima. A melhor forma é esta que temos agora, com os jogadores que temos. Temos alas muito rápidos, que não são muito fortes no jogo interior. Temos médios que gostem muito de ter a bola no pé? Não. Então temos de arranjar uma forma harmoniosa de construir isto, com um futebol atrativo, que não deixa de sê-lo, só que diferente. Tive de me adaptar.

É fácil adaptares as tuas ideias? Não, não é fácil. Não estou a dizer que foi um processo fácil.

Então não gostas desta forma de jogar. Aqui o que o Pepa gosta ou não é secundário. A sério. Tivemos esta discussão no ano passado. O Pepa que se joda. [risos] O que interessa são os jogadores e o clube. Nunca mais me esqueço que os nossos melhores 45 minutos foram aqui, no ano passado, contra o Feirense. Lembro-me bem do tempo que demora para a equipa jogar bem. Quando chegámos, o primeiro jogo foi em Braga, depois fomos ao Benfica, depois recebemos o Chaves e a equipa já estava... Comecei por trás, a organizar a equipa como eu queria: a prioridade foi a organização defensiva. A equipa sofreu dois golos em Braga, sofremos quatro golos nos últimos 15 minutos na Luz, estava 0-0 aos 70', ganhámos aqui ao Chaves 2-0, fomos a Belém e ficou 0-0, ou seja, dois jogos sem sofrer golos, e depois recebemos o Feirense. Defensivamente já estávamos confortáveis e ofensivamente estávamos a começar a crescer. Contra o Feirense, a primeira parte foi uma coisa linda. Dentro daquilo que queríamos. Só que, às vezes, com perdas de bola perigosas que nos faziam pensar que ia ser difícil manter aquele estilo de jogo. E a verdade é que na segunda parte, em contra ataque, o Feirense teve uma oportunidade, teve outra oportunidade e à terceira, penálti e golo aos 81 minutos. Aquilo fez-me pensar, porque nós estávamos com poucos pontos, penso que tínhamos 15 pontos. Discutimos muito entre nós, equipa técnica, mas decidimos que não dava. Se eu fosse teimoso, se eu fosse marrão, nós tínhamos descido de divisão. Não tenho dúvidas nenhumas. A maior parte dos nossos pontos foi como uma forma de jogar mais pragmática. Porque a equipa agora sabe não ter bola. Acima de tudo tem de saber defender e estar muito mais preparada para reagir e ter critério nas saídas, não mandamos a bola à toa - basta ver o golo que fizemos com o Sporting e os dois golos que fizemos em Paços. Isso é trabalhado. Agora, é uma questão de potenciar as características dos nossos jogadores.

E para o ano? Quem sabe para o ano? Não sei. Nem sempre as coisas são lineares, como gostaríamos que fossem. Tudo depende depois de se ver a matéria prima. Isto não é como no CM: quero este, este e este. Hoje em dia não é assim.

Mas não te dava mais gozo ver o Feirense jogar? Dava. Mas é o contexto. Temos de ver o contexto que era. Foi uma equipa montada para subir de divisão, com características de jogadores para assumir mais o jogo, com um meio-campo com Fabinho, com Rúben Oliveira, com Vasco Rocha, com Semedo, com Cris... É um contexto diferente de uma equipa que, temos de ser realistas, é...

Para não descer. Para manter. Parece a mesma coisa mas não é [risos]. Não é para estar a falar dos outros, mas o Belenenses vai ganhar ao Estoril mudando o que estava a fazer antes, de forma muito mais prática e objetiva, acima de tudo a defender muito melhor - e quem defende bem está sempre mais próximo de ganhar o jogo. O comportamento da equipa foi diferente, em quatro ou cinco passes estavam a atacar o espaço e não faziam isso nos outros jogos. Eh pá, é o contexto.

Não és fiel a uma ideia. Sou apaixonado, acima de tudo, mas vejo o contexto. Se vou para casa com alguma mágoa, não. Sei que tendo outras ferramentas, bastam dois ou três de determinadas características, pode fazer-se. Mas acima de tudo não me preocupa "a ideia do Pepa". Vejo isso pelo lado positivo: é a capacidade que temos de nos adaptarmos e potenciar o que temos.

Como organizas a tua semana? Esta semana, suponhamos: jogaram segunda, terça recuperam e depois... Analisas o adversário e adaptas o treino em função disso? Normalmente a equipa técnica analisa o adversário e eu fico fora nessa parte. Eles vão buscar as laranjas à laranjeira, espremem o sumo e depois dão-me o sumo. Eu não tenho de levar com os caraços [risos]. Percebes o que estou a dizer, não é? Eles filtram a informação toda, desde bolas paradas, individual, coletivo, estratégias, como jogam em casa, fora... E depois temos reuniões para definirmos a estratégia para o próximo jogo. Normalmente vejo o jogo que fizemos sozinho, eles veem juntos e fazem os cortes já sabendo o que pretendemos, por isso é que é bom trabalhar com pessoas competentes e que conhecemos. Porque com competência há muita gente, mas é preciso haver empatia.

Quantas pessoas tens na tua equipa técnica? Somos sete, a contar já com tudo: treinador de guarda-redes, um para análise, gravação de jogos e treinos, recuperação... mas todos a fazer um pouco de tudo. Não podemos ter dez ou doze como alguns têm, mas sete já é muito bom. São três treinadores de campo, um treinador de guarda-redes, um que faz análise e recuperação de jogadores, outro que faz gravação dos treinos e observação. E eu [risos]. Parece muito, mas não é. Também pensava que eram muitos quando estava na Sanjoanense, no Feirense, mas quando vamos subindo e precisando de cada vez mais exigência, para ir ao pormenor das coisas, aí sete não é muito. O Sporting, por exemplo, tem dois treinadores de guarda-redes. Na análise se calhar tem 15 ou 10. O Braga igual.

E quando estás no treino estás ativo ou só observas? Há dias para tudo. Em alguns exercícios afasto-me de propósito: há o zoom in e o zoom out. Quando estou afastado vejo outras coisas, olho para onde quero, vejo os guarda-redes, vejo um que está a fazer ronha, se for preciso fico dois minutos a olhar para um jogador... depende. É importante ter essa visão mais global às vezes e mesmo conseguir falar com um ou outro para corrigir qualquer coisa mais individual. Depois há outros momentos em que é o zoom in, que é pegar o touro pelos cornos, só que aí vejo as coisas de forma diferente, não é? Fico muito centrado na tarefa, na bola, nos setores. São análises diferentes. Mas sou muito interventivo e muito próximos dos jogadores no treino. Afasto-me do trabalho de ginásio e proprioceptividade e força porque confio nos meus colaboradores. Eles também não podem estar sempre a levar com a minha voz, se não deixam de me poder ver à frente [risos].

É fácil convencer os jogadores a fazer determinadas coisas, a jogar de determinada forma? Há pouco falavas dos apoios e de certeza que quando eras jogador ninguém te falava em apoios. Sim, é claro. Acho que a principal premissa de um treinador é a competência. Depois há várias coisas importantes, a coerência, o timing dos feedbacks, o equilíbrio entre falar e não falar... Mas a competência dos exercícios, o explicar bem, o acreditar no que fazemos é meio caminho andado para tudo sair com naturalidade. Dá-nos um gozo especial quando vemos no jogo o que trabalhámos em treino. Mas às vezes... Por exemplo, no Estoril, eu fui o primeiro a falar com eles: "A mensagem passou mal? Não perceberam o que eu disse?" E eles: "Não, mister, nós é que, pá, apanhámo-nos a perder cedo e depois abusámos do futebol direto". "Foda-se, não foi nada disso que nós trabalhámos, não foi nada disso que pedi". Às vezes estas coisas acontecem e ter esta abertura de falar com os jogadores e ouvi-los é bom. É muito natural a minha liderança, sinceramente. Acho que é isso que me tem ajudado a crescer. Como é que venho da distrital para a I Liga, ano após ano a subir? Por alguma coisa é. Treinar no campo todos treinam. Um treinador hoje em dia é fácil conseguir bons exercícios, com mais bola ou menos bola, mais nomes ou menos nomes. Mas os jogadores não querem nada disso: a linguagem tem de ser uma que eles percebam e entre e fique. Acho que isso é que faz a diferença. Também vou ouvindo os feedbacks dos jogadores que já treinei para ir aprendendo. Não ponho capa nem sou outra pessoa, sai tudo com naturalidade e deixa andar.

Mesmo quando não corre bem? Reajo com naturalidade. Ai que cagada do c... [risos] Claro que erro. Por exemplo, no futebol a malta fala muito dos "fantasmas". Quando perdemos um jogo, parece que estão treinadores na bancada a ver o jogo. Depois perdemos outros jogo, há mais treinadores livres na bancada. Eh pá, isso, ó Mariana, estou-me a... borrifar completamente para isso. Nem comentários na internet nem nada disso. Isso vai haver sempre. Até já me ameaçaram e tudo. Hoje em dia dá, é procurar o Facebook e mandar uma mensagem. Eu apago e rio-me. Vou fazer o quê? Faz parte. Não ligo.

Já te pediram para perderes um jogo ou meteres certo jogador? Não. Nem nunca vai acontecer. Quer dizer, pode acontecer, mas... duvido. Não me ponho a jeito.

Mas qualquer um pode ligar-te. Quando agentes me ligam, digo para falarem com o diretor ou com o presidente. Sou assim. Se calhar, há treinadores que falam, que vão almoçar com jornalistas... Estou-me a borrifar para isso. Querem rasgar-me? Rasguem-me à vontade. Se me der, dou, mas que seja natural, não com segundas intenções. Quando fomos ganhar a Paços, os jornalistas daqui disseram: “Ó mister, se ganharmos vamos comer uma chouriça.” [risos] Pronto, mas já estamos juntos em conferências há um ano. Não é por favores. Comigo isso não existe.

Mas nunca te abordaram? Influenciarem-me, a mim? Não estás a perceber. Não dou azo sequer a tentarem uma coisa dessas, dou-lhes logo uma marretada nos cornos. Esquece. Ligar para mim para pôr um jogador? Ui, não! Havia de ser bonito. Até gostava que acontecesse isso. Dava-lhe um filho da mãe de um soco... Isso não há hipótese comigo. Nem para contratar jogadores e mais não sei o quê... Zero.

Com quem foste aprendendo a ser treinador?  Acima de tudo, com os jogadores.

Com os jogadores? É isso mesmo. Saber ouvi-los.

Quando eras jogador já ligavas às questões sobre o jogo e treino? Muito. O Luís Campos era meu treinador no Varzim e ele diz-me um dia: "Tu vais ser o próximo treinador preto em Portugal". [risos] Há poucos pretos, não é? [risos] Ri-me e nem liguei. O Mário Wilson ainda estava vivo, o Daúto Faquirá estava a aparecer na altura e pouco mais. Passado uns dias, estava eu interventivo, a querer perceber um exercício, a corrigir colegas, e ele outra vez: "Vais ser treinador, caralho". Eu tentei perceber porquê, mas ele só me disse que mais tarde eu iria perceber. Filha da mãe [risos]. Ainda hoje tenho uma relação porreira com ele. Depois percebi, claro, pus-me a pensar e vi que queria sempre perceber o treino, a estratégia, ajudava os colegas, dava opiniões.

Mas não há muitos assim ou há? Uns 10%? Anda por aí. Mas é muito bom tê-los. É com esses que aprendemos muito. É por isso que te estava a dizer que aprendemos muito com os jogadores, porque eles é que estão lá dentro e sentem e perguntam e opinam. O treinador que tem essa capacidade para ouvir e responder cresce muito.

Tens aqui desses jogadores? Por acaso posso orgulhar-me porque temos vários jogadores que entendem bem a nossa forma de jogar e entendem muito bem várias posições. Por exemplo, o Miguel Cardoso. Ele próprio reconhece: "Ó mister, eu não sabia defender". Não é não defender, ele corria atrás deles, mas correr muito pode não ser correr bem. Ele cresceu muito nesses aspeto e está a fazer uma época muito boa, com regularidade. Se calhar às vezes não dá tanto nas vistas ofensivamente, mas cumpre sempre, tanto que pode chegar a lateral, a ala, à frente - sabe exatamente o que tem de fazer em campo. O Claude, por exemplo, o Hélder Tavares, dois jogadores que jogam no meio, mas se tiverem de ir para centrais ou laterais vão. Sei lá... O próprio Ricardo ajuda muito os outros dentro do campo. Haver malta comprometida que percebe bem o jogo é uma mais-valia muito grande. O Bruno Monteiro também é muito rigoroso... Há bocado falámos do Sulley e do mercado: é preciso tempo. O Sulley ao pé de um Bruno, Claude e Hélder perde numas coisas, mas ganha noutras. Se calhar limpa tudo, mas o futebol é muito mais do que isso. Essa dimensão tática demora e depois ou se consegue ter ou não se consegue ter. Só com o tempo é que conseguimos avaliar se eles realmente conseguem aprender. Só quando o jogador está nas nossas mãos é que percebemos realmente o que ele é, porque o ver vídeos e jogos... Tudo bem, mas a gente sabe lá o que o treinador lhe pedia para fazer. Será que ele fazia assim porque queria ou porque o treinador pedia ou porque era algo anárquico? Não sabemos. Só quando os temos na mão, a trabalhar connosco, é que conseguimos perceber bem isso.

A inteligência é a característica mais importante? É muito importante. Agora, se conseguirmos ter isso e o resto... Por exemplo, estávamos a ver o Sporting a entrar para o aquecimento. Há ali jogadores com 1,90m. Quando tens isso, com inteligência e qualidade técnica, é quase um robô [risos]. São características que fazem a diferença. O Benfica anda a desbloquear muitos jogos como? Bolas paradas. Isso qualquer um pode trabalhar? Pois trabalha, só que o Jardel tem 1,90m, o Rúben Dias tem 1,88m... E depois a agressividade e os executantes da bola parada.

Faz-te impressão não teres quarto nível de treinador e estares no banco a levar multas se te levantas? Claro que me faz muita confusão. E cria-me um revolta enorme. Vou explicar tudo o que aconteceu. Eu tinha o nível II, quando estava a treinar na distrital, o que chega e sobra. Os cursos de treinador estiveram parados muitos anos, por causa de umas reestruturações quaisquer. Ora o nível III, antes dessa paragem, tirava-se num mês. Portanto, na minha cabeça, pensei: quando saltar dos distritais para a II B, porque eu pensava que não ia saltar logo para a 2ª Liga, começo a tirar o nível III e tiro aquilo num mês. Quando os cursos reabrem, o que era tirado num mês passa a ter de ser tirado durante dois anos. Pronto, tudo bem. Quando vou para o Feirense, na 2ª Liga, inscrevo-me no nível III e estou a época toda a fazer isso, assim como a seguinte, em Moreira. Tirei então o nível III. O nível IV abre as inscrições e eu em janeiro/fevereiro já tinha tudo pronto do nível III: o relatório de estágio, as horas de prática que exigem, tudo. Enviei tudo e fiz uma exposição do meu caso para que houvesse a sensibilidade de validarem o meu estágio o quanto antes, para eu tendo isso poder entrar no nível IV. As inscrições do nível IV abriram, eu candidatei-me, só que quem vai ver a candidatura vê o quê? "Ah, este nível III ainda não está homologado". Mas já estava tudo feito, não dependia nada de mim. Ou seja, não aceitaram a minha inscrição no nível IV. Há uma falta de sensibilidade a cada caso. E depois há esta perseguição: esses senhores falam, falam a dizer que é uma palhaçada os treinadores não terem o nível IV. Mas se calhar esses senhores que falam dessas situações, no tempo deles, tiraram um curso num mês. Um curso que dava equivalência ao nível IV. Eu passei por todos os níveis, vários anos. E ainda vou tirar o nível IV. Se calhar se fossem tirar agora ainda iam ter algumas dificuldades em passar. Mas é mais fácil andar a apontar o dedo e a exigir que a Liga nos multe.

Para cumprir todos os níveis, agora, são cerca de 10 anos de estudos. São dez anos, sim. Não dá para perceber. Eu fiz exposições, fiz mails, fiz cartas para a Associação Nacional de Treinadores de Futebol, tenho tudo registado e não me respondem.

Não respondem? Não me respondem. E eu sou sócio da ANTF. Vou a palestras de jovens treinadores e vou com gosto e não peço dinheiro. Se me derem comida já não é mau. Então não estou a ajudar a classe? Isso não é valorizado? Andam sempre a perseguir e nem respondem. Mas quando tiver o nível IV e se algum dia precisarem do Pepa para alguma coisa, se calhar já se vão lembrar do Pepa. E eu aí... foguete. Pareço um bandido, tenho de estar ali no banco sem me mexer. Levanto-me: multa de €1000, multa de €1500, multa de €2000. Um treinador assina um papel em que diz que se compromete a tirar o IV nível assim que abrir. Foi o que sugeri. Não foi por preguicite que não tirei.


Fonte: tribunaexpresso.pt
Autor: Academia de futebol
comentários
Não foram introduzidos comentários a esta entrevista!
PUB
BairrinformáticaTacticalPadMundo do TreinadorSericertimaTacticalPad
AcademiaAcademiaFalta informação?
patrocinadores (energigas)AcademiaInstalminho
TacticalPadSports TrainingEnergigas24